28 de março de 2010

Resolução de Conflitos - Atitude e Comunicação são fundamentais!

Lidamos com frequência com situações que apelidamos de Conflito, uma tomada de consciência das mesmas e das variáveis nelas envolvidas poderá contribuir para as desmistificar e valorizar, aproveitando-as no sentido da inovação, criatividade e benefício comum.

Regra geral, a palavra Conflito é associada a sensações desagradáveis, a angústia, invasão de privacidade ou até mesmo violência.

O Conflito começa quando alguma das partes se sente atingida na sua esfera individual. Esta fase causa incómodo. Este “mau estar”, pode estar relacionado com bens materiais, valores, crenças ou atitudes, ou ainda com a vivência quotidiana.

A fase de consciência da existência de Conflito, é crucial para a sua resolução. Deixando passar este período de racionalidade e controlo entramos numa fase intensamente destrutiva da relação entre as partes envolvidas.

A nossa atitude e o estilo de comunicação que adoptamos na relação com os outros podem ser o nosso mais forte aliado para superarmos o Conflito e dele tirarmos partido.

Factores como: cultura, sociabilização, padrões de referência, conduta parental, entre outros, condicionam a realidade que criamos e o modo como nos relacionamos com aqueles que dela fazem parte.

Atitudes que dificultam e/ou inibem a resolução das situações de Conflito

Agressividade

Para algumas pessoas, falar alto, não dar espaço nem tempo aos outros para que manifestem as suas ideias/opiniões intimidando-os com palavras e com uma postura autoritária, são características evidentes do seu estilo de comunicação e relações interpessoais. Influenciadas por um falso sentimento de superioridade ou para esconderem o seu sentimento de insegurança e inferioridade, adoptam este estilo como meio de fazerem prevalecer os seus direitos, únicos que importa preservar na relação com os outros.

O Conflito é encarado como uma forte ameaça aos seus estatutos e ao seu poder, uma luta que têm e devem ganhar a todo o custo. Respondem assim às situações que pensam afectar a sua esfera individual com base na carga emocional subjacente a estas, sem sequer se preocuparem em perceber a sua verdadeira natureza, agredindo e desrespeitando as partes envolvidas. O objectivo é a vitória mesmo que esta implique a destruição da relação entre as partes envolvidas.

Passividade

Existem outras pessoas que optam por estilo de comunicação e de relacionamento interpessoal baseado na submissão, no não manifestar as suas opiniões na presença de terceiros com receio que estas possam não ser aceites ou sejam ridicularizadas. Falam demasiado baixo, “para não incomodar”, baixando o olhar. Não ousam dizer que não, deparando-se com frequência com situações contrárias ao seu modo de estar e pensar. Um forte sentimento de inferioridade condiciona todo o seu modo de estar e agir na relação com os outros.

A tomada de consciência da existência de Conflito é evitada dificultando assim a expressão do sentir das partes envolvidas. O aumento da tensão sentida pela outra parte envolvida, incrementada por esta negação ou evitamento conduzirá rapidamente a que o Conflito evolua para uma fase de agressão e destruição da relação existente entre as partes.


Atitude que contribui para a resolução do Conflito

Assertividade

Sempre que nos relacionamos com os outros com base na consciência dos direitos e deveres de cada um, no respeito mútuo, na comunicação clara, aberta e franca, criamos naturalmente empatia e confiança nas relações que se processam de forma natural e espontânea.

A tomada de consciência da existência de Conflito é facilitada pela comunicação aberta e clara, pela capacidade de escuta activa e pelo clima de respeito existente entre as partes que facilita a expressão dos sentimentos e emoções subjacentes, contribui para a procura de soluções e desenvolvimento de estratégias (colaboração ou negociação), ao invés de culpados, reduz a tensão e resolve a situação que esteve na origem do Conflito. Nalguns casos contribuirá para o reforço e estreitamento das relações entre as partes envolvidas, permitindo o crescimento e desenvolvimento mútuo.


Desenvolva a sua capacidade para resolver situações de Conflito

 Comunique abertamente
 Esteja atento(a) aos sinais verbais e não verbais
 Aperfeiçoe a sua habilidade para escutar o outro
 Expresse os seus sentimentos
 Controle as suas emoções
 Evite juízos de valor
 Seja construtivo(a) ao fazer uma crítica
 Mantenha um clima de respeito
 Centre-se nos interesses subjacentes e não nas posições
 Identifique os interesses/necessidades dos outros
 Crie empatia
 Procure encontrar soluções que satisfaçam interesses/necessidades mútuas
 Partilhe preocupações
 Esteja disposto a Colaborar e/ou Negociar

Associação Portuguesa de Coaching

Já está disponivel o site da Associação Portuguesa de Coaching!

http://www.apcoaching.pt/

A Associação Portuguesa de Coaching tem como grande objectivo ser uma entidade de referência na credibilização do Coaching, defendendo os interesses dos seu Associados, Membros e Clientes.

Missão:
- Credibilização do Coaching e da profissão Coach
- Divulgação do Coaching e Atitude Coach
- Estabelecer Parcerias Nacionais e Internacionais
- Criar um espaço Nacional de referencia na área do Coaching

Ciente dos enormes desafios que hoje se colocam aos indivíduos e às organizações, a APCoaching disponibiliza em todo o país uma bolsa de coaches profissionais com certificação internacional oriundos das mais variadas áreas do conhecimento para melhor se adequar às necessidades do mercado. Esta bolsa encontra-se em permanente actualização e crescimento, já que, mediante inscrição, os coaches devidamente certificados poderão integrá-la. A Associação permite ainda a inscrição de membros individuais ou colectivos, fornecendo também acesso a informação variada, workshops e cursos de formação, bem como a eventos diversificados na área.